O assunto é: Audiência x desgraça alheia

09/08/2010

No ar mais um post "O assunto é", e o assunto de hoje é: "Audiência x desgraça alheia".
É triste ter que comentar sobre isso aqui hoje, mas infelizmente essa é a dura realidade em que vivemos.
Há algun tempo eu venho percebendo a grande disputa entre as emissoras brasileiras, é uma guerra sem fim, onde o objetivo principal é acertar o alvo, para eliminar o inimigo e ganhar alguns pontinhos para dormir bem, pois amanhã é outro dia, pois a guerra não acaba, na verdade ela não acaba nem quando dormimos.

Audiência x desgraça alheia
Bastou morrer um inocente,  uma celebridade, ou alguém importante na mídia e querido por todos, e lá estão elas, na disputa para ver quem dá a melhor notícia, quem irá conseguir um furo de reportagem, algo exclusivo. Foi assim com o caso do menino João Vitor, Eloah, o bárbaro assassinato da menina Isabella, a morte do cantor Michael Jackson e os casos mais recentes, da advogada Mércia e Elisa, amante e mãe do filho do ex-jogador do Flamengo Bruno. Apartir do momento que o assunto começa a não render mais nos cofres das emissoras, eles simplesmente esquecem, afinal, o que eles queriam já conseguiram, se a justiça foi feita ou não, para eles não interessa, o objetivo é apenas um: "Liderar".
É incrível, como para conseguir alguns pontinhos para derrotar a emissora concorrente eles chegam a passar a tarde inteira, ou até mesmo o dia inteiro, e muitas vezes até criam um programa somente para o caso, ou melhor para alcançar a liderança com a desgraça alheia.
No mês passado, uma emissora, a qual não quero citar o nome, por sua vez chegou a apresentar um progama ao domingo só para comentar sobre um caso específico, reprisando exaustivamente reportagens, comentando sobre hipóteses e possibilidades, que nem a polícia se quer estava informada, mas para causar sensacionalismo eles chegaram a esse ponto, e conseguiram o queriam,
 lideraram e ultrapassaram a concorrente.

Guerra da audiênica
Pior que todas as guerras, a guerra pela audiência é algo que começa assim, do nada, tudo está tranquilo, a emissora "A" está com seu programa diário normal alcançando seus pontinhos  do dia, a emissora "B" lidera, a "C"  vai de mal a pior, mas de repente surge uma tragédia, a emissora "B" anuncia com exclusividade, mas logo a emissora "A", está no local da tragédia, e descobre que fulano foi preso no local x, e acaba liderando passando a rival, e a "C" cria um plantão apenas para o caso e tenta brigar junto com a emissora "B", para derrotar a emissora "A". E assim vai por dias, até que o caso seja esclarecido, ou enquanto ela estiver  estiver liderando, melhor falando, faturando.

Informar sim, apelar não!
Queremos saber sobre o que está acontecendo no nosso país, queremos que o caso seja esclarecido, torcemos e lutamos para que a justiça seja feita, mas não queremos e não devemos compactuar com a guerra entre emissoras, na busca incessante pela audiência, jamais, uma rede de tv, deve sim e tem como objetivo nos passar informações sobre um caso específico, mas ficar apenas focando nesse mesmo caso, para poder ultrapassar a emissora rival, ganhando uns pontos a mais, e faturando como nunca, é algo sensacionalista, frio, e apelativo, é pior do que praticar um crime, na verdade, é como se estivesse participado do crime.
Portanto não esqueçam: Informar sim, apelar não!

Postado por: Caio Blinnter

©2010-Cinequarto

0 Soltaram a voz!:

Postar um comentário

Gostou ? Então comenta! Sua participação é muito importante para nós!

AtRaÇõEs ReCeNtEs ...








Siga-nos no Twiiter:

 
CINEQUARTO TV © 1997-2017 | Designed by Júnior GrigoloCTV Theme