E qual seria o limite para o amor?

07/11/2014




E qual seria o limite para o amor?
É mais que certo a conclusão de que não há limite algum quando se ama, há somente aquela vontade louca de amar o outro, de fazer o outro feliz em primeiro lugar, o cuidado exacerbado, o zelar pelo bem do outro, o prazer em estar junto, o prazer em lutar pelos projetos que agora incluem duas pessoas, inúmeras vezes abrir mão da própria vontade pelo melhor para outro...
Amar exige muito de quem se doa a ele, exige recusas, exige lágrimas, exige renúncias, exige respeito, fidelidade e somente quem é capaz de tal ato vive o que há de melhor, vive um amor que realmente não se pode explicar e nem se definir, vive algo que se assemelha aos tais contos de fada pela beleza e encanto que o envolve.
Ah, amar é lindo e exige reciprocidade, amar sozinho é impossível, o amor foi feito para ser vivido a dois, tem que ser uma via de mão dupla.
Não se pode amar a cada mês uma pessoa, isso não é amor é futilidade, é infantilidade, é paixonite. Amor é feito para ser eterno, é o tal querer envelhecer ao lado do ser amado, é enfrentar tudo ao lado da pessoa, amar requer esforços, requer entrega total, requer viver sonhos juntos ou realizar os sonhos do outro.
Por isso sempre considerei a palavra te amo intensa demais para ser jogada ao vento, um te amo foi feito para acalentar o coração da pessoa amada e não para ser usada como frase clichê dita a qualquer um.
O amor é sublime, é divino, é indescritível...

















Beijinhooooooos :*
Nádia Dutra © Cinequarto

0 Soltaram a voz!:

Postar um comentário

Gostou ? Então comenta! Sua participação é muito importante para nós!

AtRaÇõEs ReCeNtEs ...








Siga-nos no Twiiter:

 
CINEQUARTO TV © 1997-2017 | Designed by Júnior GrigoloCTV Theme